Google+

English

Black Pantera lança “Seis Armas”

Além de sua potência sonora, a banda de punk/hardcore Black Pantera vem afirmando seus posicionamentos através das letras de suas músicas e das quais escolhe gravar. O single “Seis Armas” (Deck), que já está disponível nas principais plataformas digitais, foi produzido pelo próprio trio, formado por Charles Gama (guitarra e vocal), Chaene da Gama (baixo e vocal) e Rodrigo Augusto “Pancho” (bateria). A novidade chega acompanhada de um lyric video, dirigido por Pedro Hansen.

>> Ouça o single

>> Assista ao lyric video

“A gente compôs ‘Seis Armas’ na época em que o governo decidiu flexibilizar decretos que regulamentam o uso de armas ao mesmo tempo que não comprou todas as vacinas que o país precisava” – diz Chaene. Em cima de uma base instrumental pesada e frenética, eles bradam seu manifesto, cujo refrão é: Seis armas pra mim/ Seis armas pra você/ Vacina pra ninguém.

Black Pantera – Capítulo Negro

Sempre envolvidos com o movimento negro, os integrantes do Black Pantera aproveitaram uma pausa nas gravações do novo álbum e lançam o EP “Capítulo Negro”, no dia da Consciência Negra. Eles gravaram novas versões para três músicas com discurso forte sobre empoderamento: “Identidade” (Jorge Aragão), “Todo Camburão tem um Pouco de Navio Negreiro” (Alexandre Meneses/ Marcelo Lobato/ Marcelo Yuka/ Nelson Meirelles), sucesso do álbum de estreia d`O Rappa e “A Carne” (Marcelo Yuka/ Seu Jorge/ Ulisses Cappelletti), conhecida na voz de Elza Soares.

Black Pantera – I Can’t Breathe

Impactado pelo racismo recorrente na sociedade e inflamado pelo assassinato de George Floyd (em 27 de maio de 2020), o Black Pantera transmite sua mensagem de indignação através de uma música e clipe inéditos. Desse modo, “I Can’t Breathe” já está disponível nas plataformas digitais. O lançamento é marcado por um crossover de punk, hardcore, thrash e groove metal.

A ideia surgiu quando Chaene da Gama (baixo) assistiu ao vídeo no qual um policial americano asfixia até a morte um cidadão negro durante uma abordagem. A força das imagens serviu como combustível para que ele escrevesse, o mais rápido possível, seus versos de protesto. “Tudo isso veio do impacto do vídeo, assim como de outras coisas que vêm acontecendo não só nos EUA mas como no mundo inteiro. Aqui no Brasil, inclusive, não é muito diferente”, explicou Chaene, que já na sexta-feira se juntou a Charles Gama (vocal e guitarra) e Rodrigo Augusto (bateria) para gravar a música. O trio criou em conjunto os arranjos e assina a autoria da faixa, produzida por Ricardo Barbosa.

Há seis anos na estrada, o Black Pantera tem seu nome inspirado no revolucionário Partido dos Panteras Negras norte-americano. “Sabemos da importância de dar voz àqueles que não conseguem ser ouvidos, além de cantar — mesmo que de modo mais duro — sobre igualdade, respeito e união e contra qualquer preconceito; principalmente o racial”, completou Chaene, sem ceder um centímetro sequer a qualquer intolerância.