Google+

English


Comprar


Digital

Escute o Albúm

  • Track List
  • O Samba que Une a Gente
  • Burro de Salomé (feat. Dudu Nobre)
  • Acredita
  • Rosas que Falam
  • Tá que Tá Danado (feat. Serginho Meriti)
  • Volta
  • Parceira de Fé
  • Largo do Arouche
  • Vazio (Está Faltando Alguma Coisa em Mim)
  • Sorriso Antigo
  • Navio Negreiro (feat. Velha Guarda da Vai Vai)
  • Tempo É (feat. Zé Luiz)
Daniel Tatit – O Samba que Une A Gente
23/09/2016

Apresentando seu primeiro trabalho, “O Samba que Une a Gente”, Daniel Tatit já deixa claro que tem o necessário para tornar-se um dos maiores do gênero.

A produção do disco, gravado no estúdio Pratápolis, é assinada por Serginho Madureira, que já fez parte do grupo Fundo de Quintal. Nele estão 12 faixas, sendo em sua grande maioria inéditas. O samba de Daniel inspira a tradição desse ritmo genuinamente brasileiro e expira a progresso do gênero, lançando-o para o futuro. Com mais percussão, acordes primorosamente elaborados e novos arranjos de harmonia, o disco mantem-se pra cima, levando o ouvinte a não querer ficar parado.

A faixa-título, “O Samba que Une a Gente”, introduz com a cuíca e o trombone um convite para ‘sambar com a gente’. Na sequência está a primeira participação especial do disco, de Dudu Nobre que canta com ele “Burro de Salomé”. A canção é de autoria de Serginho Meriti e Beto Sem Braço e brinca com o descaso do governo. Meriti ainda contribui com mais duas canções inéditas: a crônica do cotidiano “Largo do Arouche” e “Tá que Tá Danado”, na qual divide os vocais com Daniel.

Dos contatos feitos em suas andanças, ele hoje faz parte do grupo de compositores da Vai-Vai, assim, a escola não poderia deixar de participar do seu trabalho. A Velha Guarda dessa tradicional
escola abrilhanta a música “Navio Negreiro”, na qual o cantor, em parceria com Serginho Madureira e Maguinho Dantas homenageiam o samba. De autoria de Daniel ainda estão no disco “Volta” e “Rosas que Falam”, sendo essa última feita em parceria com o baluarte do samba de São Paulo Valdir Dafonseca, fazendo referência ao clássico de Cartola.

Nesse trabalho, ele registrou três versões para canções de nomes que o influenciam em sua carreira. De Candeia e Aldecy, “Sorriso Antigo” dá um ar de seresta e romantismo ao disco. E, ainda, de Nelson Rufino ele canta a belíssima “Vazio” e “Tempo Ê”. Nessa última, ele divide os vocais com seu padrinho no samba, e co-autor da canção, Zé Luiz do Império Serrano.
Nessa gama de grandes compositores, está também Claudemir, que presenteou Daniel com duas faixas inéditas: “Acredita”, que faz uma reflexão sobre crença e amor, e “Parceira de Fé”, uma declaração sincera e galante.

No trabalho de estréia, esse talentoso paulista pôde contar com grandes instrumentistas para dar vida aos arranjos de Serginho Madureira e Paulão 7 Cordas. Os músicos envolvidos, em uma ou mais faixas, são: Ricardinho Ramos (cavaco), Fabinho César (percussão e efeitos), Barba da Cuíca (cuíca), Carlinhos 7 Cordas (violão de 7 cordas), Katatal Felipe (banjo), Henrique Araújo (bandolim e violão), Nando Martins (violão), Mario Nogueira (trombone), Coringa Sax (gaita, clarinete e flauta), Ronaldo Gama (contrabaixo acústico), Renato Pereira (violino), Wallas Pena (viola) e Marina Estanislau (tchello). O coro é formado por Cristiane Lacerda, Leonardo Sant’Anna e Rafa Cintra.

Com todo esse respaldo e talento, Daniel Tatit chega com todos os ingredientes necessários para se tornar uma das grandes revelações da música nacional.