Google+

English

Edgar lança “Ultraleve”

Quando, em 2018, Edgar nos assombrava trazendo verdades como “o futuro é uma criança com medo de nós”, nem em nossos piores pesadelos poderíamos imaginar o que nos aguardava. Pouco mais de um ano após a estreia do primoroso e premiado “Ultrassom” (Deck/2018), o planeta seria varrido pela pandemia.

Edgar nos apresenta agora “Ultraleve” (Deck/Natura Musical), álbum que enfileira nove faixas produzidas mais uma vez pelo parceiro Pupillo Oliveira. “Ultraleve é uma maniçoba poética, demora mais de cinco dias no fogo da vaidade, com a panela cheia de água e empatia, cozinhando todos os sentimentos atravessados por um corpo negro em uma sociedade programada para o excluir e o matar”, diz o multiartista no texto de apresentação do trabalho.

Prato originário dos povos indígenas, maniçoba é a metáfora perfeita para as sensações que “Ultraleve” provoca, desde a primeira audição. Tal qual a maniva (folha da mandioca), cujo preparo pode levar até uma semana, “Ultraleve” requer calma e atenção. Assim como outras iguarias, não é no consumo rápido que se absorve suas propriedades: é um disco que exige ouvidos abertos e sistema digestivo preparado. As palavras de Edgar são acidez pura, abrasivas, deboche curtido em pH baixíssimo.

Os beats e percussão de Pupillo acompanham esse cozimento, criando ambiências sonoras ora irônicas, ora melancólicas, mas sempre enérgicas. É bonito prestar atenção em como ele responde aos plot twists narrativos de Edgar, surpreendendo também na estrutura de cada faixa, criando transições inesperadas. É como se eles estivessem construindo a trilha sonora de um game distópico, subvertendo o passado do funk, desde Afrika Bambattaa, e desenhando paisagens que alternam climas de acordo com cada “fase” do jogo.

Os materiais recicláveis que aparecem nas criações visuais de Edgar surgem em “Ultraleve” de outra maneira: objetos encontrados nas ruas de São Paulo por Edgar foram transformados em instrumentos e amplificados, adicionando efeitos às produções de Pupillo.

Acho desnecessário teorizar sobre a lírica de Edgar – para cada um seus versos batem de um jeito, e que assim seja. Mas há um discurso oculto que vale botar reparo: “Ultraleve” diz muita coisa nas entrelinhas de seus feats: Kunumi MC rima em guarani na faixa “Que A Natureza Nos Conduza”, e a cantora canadense Elisapie, uma artista e ativista inuíte, participa em “A Procissão dos Clones” cantando em seu idioma nativo.

Não, não sabemos o que eles estão cantando. Nem Edgar sabe. E essa falta, esse diálogo ausente, ou interrompido, é exatamente o que está por trás da escolha das participações. A ausência também tem o seu lugar no discurso de Edgar, e para isso também é preciso tempo, atenção e digestão.

Eu avisei que levava tempo para a maniçoba ficar pronta. Aproveite!

Ouça o álbum

Ultraleve

O multi-artista Edgar lança o aguardado sucessor de “Ultrassom”. Batizado de “Ultraleve”, o álbum traz paisagens um pouco mais solares que no disco anterior, mas os assuntos são sempre urgentes; excesso de tecnologia, destruição ambiental, violência e individualismo.  A ancestralidade também está representada pelas participações de Kunumí MC, morador da aldeia Krukutu, na região de Palhereiros (SP) e da cantora e compositora iunk (primeiros povos habitantes do Alaska, Groelândia e Canadá) Elisapie. Ambos cantam em seus indiomas nativos.

Produzido por Pupillo, “Ultraleve” traz instrumentos construídos pelo Edgar. O muti-artista trabalha nisso desde 2016 e três desses instrumentos criados a partir de lixo reciclável dão novos timbres ao som do álbum, um pouco menos tecnológico do que seu antecessor.

Edgar lança “Ultraleve” dia 28 de maio

O multi-artista Edgar lança no dia 28 de maio o aguardado sucessor de “Ultrassom” (Deck/2018). Batizado de “Ultraleve”, o novo álbum traz paisagens um pouco mais solares que o disco anterior, mas os assuntos são sempre urgentes; excesso de tecnologia, destruição ambiental, violência e individualismo.

A ancestralidade também está representada pelas participações de Kunumi MC, morador da aldeia indígena Krukutu, localizada na região de Parelheiros (SP), e da cantora e compositora iunk (primeiros povos habitantes do Alaska, Groenlândia e Canadá) Elisapie. Ambos cantam em seus idiomas nativos.

Produzido por Pupillo, “Ultraleve” traz instrumentos construídos por Edgar. O multi-artista trabalha nisso desde 2016 e três desses instrumentos criados a partir de lixo reciclável introduzem novos timbres ao som do álbum, um pouco menos tecnológico do que seu antecessor.

Premio Nobel

Um dos artistas mais inventivos do Brasil, Edgar lança “Prêmio Nobel”, segundo single do aguardado “Ultraleve”, sucesor de “Ultrassom” (Deck/2018).  Com discurso afiado como sempre ele aponta as injustiças e contradições do Brasil. “Em toda favela tem um prêmio nobel/que a polícia caça e mata”  é o refrão da música que tem a produção de Pupillo.

Edgar lança clipe inspirado no mundo dos videogames

premionobel

O multiartista Edgar se reinventa a cada novo trabalho. Em meio a pandemia, o formato de lançamento do seu novo álbum precisou ser adaptado, mas o desafio forjou desdobramentos capazes de potencializar conexões. Agora, o músico apresenta mais uma faixa de “Ultraleve”, que será lançado em março, pela gravadora Deck.

Com o tema “Prêmio Nobel”, tanto o clipe quanto a música – produzida por Pupillo e que estará disponível a partir de amanhã (29), em todos os aplicativos de música -, apostam na interatividade e na imersão em meios virtuais. No vídeo, personagens duelam em um espaço construído através de uma programação gamer, seguindo uma temática dos jogos dos anos 90, proporcionando uma nova experiência ao público.

De forma impactante, a animação do videoclipe aborda temas comopolíticas públicas, meio ambiente e realidade expandida, além de apresentar um cenário apocalíptico como mote. “Em uma perspectiva de videogame, o clipe de “Prêmio Nobel” traz uma proposta quase didática do que acontece nas favelas do Brasil, onde diversas pessoas têm a vida atravessada pela incompetência e necropolítica dos governantes desse país.”, afirma Edgar.

Assista o clipe

Ficha técnica
Direção: Alexandre Pina e Edgar

Roteiro: Edgar
Game Design: Ralphy McCoy
Modelagem: Ramiro Vidigal
Filmagens: Renato Pascoal
Edgar Type: Leonardo Neiva
VFX/Edição: Alexandre Pina
Produção Musical: Pupillo
Mixagem e Master: Carlos Trilha

Edgar – Também Quero Diversão! (BADSISTA Remix)

“Também Quero Diversão” (BADSISTA Remix) é o primeiro single de “Ultraleve”, segundo álbum do inventivo Edgar que será lançado em 2021. A faixa, com produção assinada mais uma vez por Pupillo e nessa versão remixada por BADSISTA cristaliza a revolta de seu autor, que cobra um posicionamento em relação a igualdade de gênero, paz e liberdades em uma sociedade intolerante que segue cada vez mais anestesiada e embriagada com doses mortais de espetáculo e entretenimento. Edgar retoma sua luta para conscientizar a periferia sobre seu poder criativo e transformador, e a batalha que é reverter os padrões de dominação social que foram impostos pelas elites do planeta.

Edgar – Também Quero Diversão!

Novo single do artista Edgar, “Também Quero Diversão” foi escrita há cerca de dois ano e já descrevia “a sensação desse levante ditatorial que aconteceu no Brasil” – conta Edgar. A parte musical e a produção ficaram a cargo de  Pupillo, que criou uma batida mais densa, com influência do hip hop.

Edgar – Print (Freelion Remix)

“Print” (Edgar/ Pupillo), um dos grandes hits de “Ultrassom”, álbum de estreia de Edgar, acaba de ganhar um remix feito pelo produtor baiano Freelion. Os dois tocaram juntos num show no início do ano e fizeram uma versão da música com Freelion fazendo a base na hora, de improviso. Ficou tão bom que decidiram gravar essa versão dançante.”

Edgar – Carro de Boy (ft. Rico Dalasam)

A música “Carro de Boy” faz tanto sucesso nos shows do músico Edgar que ele resolveu gravar em estúdio. O próprio Pupillo, produtor do álbum “Ultrassom”, produziu essa faixa e os dois chamaram o Rico Dalasam para participar e os três transformaram a música no funk. “Carro de Boy” foi escrita há alguns anos por Edgar e conta a história de sua amiga, que foi atropelada por um carro.

Edgar – Ultrassom

O cantor e compositor de Guarulhos Edgar já tem chamado atenção pela sua forma única e muito original de se apresentar. Tendo como referência o rap, a música eletrônica, ritmos nordestinos e o rock, ele já lançou um EP, um álbum e dois discos disponibilizados em formato de curta metragem no YouTube. Agora ele apresenta seu novo disco, “Ultrassom”, nas plataformas digitais e em CD, pela gravadora Deck, e em cassete e em vinil pela Polysom.

O álbum foi produzido por Pupillo (Nação Zumbi) e traz 10 faixas, todas de autoria do Edgar. Apresentando o melhor do seu estilo, estão músicas como “Plástico”, “O Amor Está Preso?” e “Go Pro”. Suas letras criam paisagens sonoras, pensando em um futuro dominado por plástico e ácido, com críticas afiadas sobre a sociedade e, principalmente, à relação do mundo com a tecnologia, sempre cantadas em rimas rápidas e precisas. Com muita criatividade, ele produz personagens e figurinos a partir de lixo eletrônico e outros materiais descartados, tornando seus shows uma experiência também visual.