Google+

English


Comprar


Digital

Escute o Albúm

  • Track List
  • Nosso Estranho Amor
  • Expandir
  • Tão Tá
  • Blues Da Esperança (Feat. PC Guimarães)
  • Tsunami (Feat. Luiz Gabriel Lopes)
  • Tanto Faz (Feat. Uyara Torrente)
  • In Silence
In Silence
28/05/2021

Após o lançamento de dois singles (“Nosso estranho amor” e “Tão Tá”), a banda Graveola traz seu álbum de inéditas “In Silence”. Com sete faixas o novo trabalho da banda mescla a energia solar e tropical de sempre com uma serenidade própria da madureza do grupo. “Quisemos comunicar com sentimentos profundos, criar uma imagem que fizesse refletir sobre nosso universo interno. Somos múltiplos: esperançosos, densos, sentimos saudade, temos nossas dores de cotovelo hehe. Esse disco é sobre como soa nosso silêncio dentro”, comenta sorridente Zelu Braga, que divide os vocais da banda com Luiza.


Comprar


Digital

Escute o Albúm

  • Track List
  • Tão Tá
Tão Tá
30/04/2021

Depois de Nosso Estranho Amor (Deck, 2021), primeiro lançamento do Graveola deste ano, o grupo mineiro anuncia novo single, que será lançado no próximo dia 30 em todas as plataformas digitais. A banda, além do single Tão Tá (Deck, 2021), prepara o lançamento de um álbum de inéditas, despedindo-se do tropical Camaleão Borboleta (Deck, 2016) e apontando para novos rumos.

Parceria entre Luiza Brina, Julia Branco e Gabriel da Luz, “a música veio de uma brincadeira entre nós, respondendo a um post de Facebook da Júlia. É pra falar sobre a saudade dos lugares, como a gente os carrega e como tem uma leveza na saudade, os encontros e despedidas”, conta Luiza.

“Tão Tá é uma música pra dançar. Gostosa. Aquela que dá pra dançar agarradin com alguém ou consigo. Dá pra dançar olhando pro espelho e se elogiando. Dá pra dançar com o pet também. Tão Tá fala de uma saudade gostosa, tipo brisa de sábado à tarde” conta com sotaque mineiro o vocalista Zelu Braga.

Fruto dos 16 anos de banda, o Graveola aponta agora para caminhos mais profundos com o disco In Silence (Deck, 2021). Nesse novo trabalho a banda mescla a energia solar e tropical de sempre com uma serenidade própria da madureza do grupo. “Quisemos comunicar com sentimentos profundos, criar uma imagem que fizesse refletir sobre nosso universo interno. Somos múltiplos: esperançosos, densos, sentimos saudade, temos nossas dores de cotovelo hehe. Esse disco é sobre como soa nosso silêncio dentro”, comenta sorridente Zelu Braga, que divide os vocais da banda com Luiza.


Comprar


Digital

Escute o Albúm

  • Track List
  • Nosso Estranho Amor
Graveola – Nosso Estranho Amor
26/03/2021

Após 5 anos de muitas transformações internas e externas, a banda Graveola se despede do seu último álbum de canções inéditas, o Camaleão Borboleta (Deck, 2016), e se prepara para o novo, com o lançamento do single Nosso Estranho Amor (Deck, 2021), composição de Luiza Brina e Luiz Gabriel Lopes.

O single é transição de um Graveola tropical e ensolarado, quase juvenil, para um futuro com cores diferentes, que agora aponta pra caminhos mais profundos, fruto da maturidade de 16 anos de banda, e que se concretiza no álbum que virá, In Silence (Deck, 2021). “Quisemos comunicar com sentimentos profundos, criar uma imagem que fizesse refletir sobre nosso universo interno. Somos múltiplos: esperançosos, densos, sentimos saudade, temos nossas dores de cotovelo hehe. Esse disco é sobre como soa nosso silêncio dentro”, comenta sorridente Zelu Braga, que divide os vocais da banda com Luiza.

Apesar dessa grande transformação sonora e estética, além da chegada de novos integrantes, e do contexto político e social do Brasil; a banda segue mantendo as características que mais atraem os seus fãs, e que a tornou reconhecida internacionalmente: a criatividade e personalidade. Luiza conta que “Nosso estranho amor era inicialmente uma balada, mas nos ensaios a banda sentiu que poderia ter outra pegada, fora da zona de conforto, ressignificando a canção. E isso foi ótimo. O rock trouxe cores diferentes, e ao mesmo tempo familiares aos integrantes da banda”.


Comprar


Digital

Escute o Albúm

  • Track List
  • Coquestismo
  • Dois Camelos Sem Assunto ou Meu Primo Coreano
  • Rua A
  • O Varal Esquecido no Final
  • Mastigar
  • Desagrados e Flores
  • V Simpósio Latinoamericano de Neurologia
  • Eu Aqui, Por Enquanto
  • Enquanto Isso no Salvador
  • Pero no Mucho
  • Desencontro
  • Gosto na Boca
Graveola – Um e Meio
06/11/2020

Continuando o trabalho de disponibilização do catálogo do Graveola nas plataformas digitais, a Deck lança em Novembro o álbum “Um e Meio”. Lançado originalmente em  2010 e com doze faixas, o segundo álbum do Graveola é um trabalho de produção caseira, muito relevante para a banda, que partiu do impulso de registrar novas composições (janeiro de 2010), de modo que o próprio processo de internação passou a alimentar a vontade de criar. É um produto que amplia o universo estético do grupo com composições díspares, participações inusitadas e experimentos fonográficos capengas.


Comprar


Digital

Escute o Albúm

  • Track List
  • Blues Via Satélite
  • Pra Parar de Vez
  • Desencontro
  • Farewell Love Song
  • Desdenha
  • Desmantelado
  • Inverno
  • Nesse Instante Só
  • Lindo Toque
  • Rua A
  • Canção Para Um Cão Qualquer
  • Kg de Pão
  • Babulina´s Trip
  • O Cão e a Ciência
Graveola – Eu Preciso de Um Liquidificador
14/08/2020

Trabalho que rendeu ao grupo a indicação de melhor banda de pop/rock no 23º Prêmio da Música Brasileira, “Eu preciso de um liquidificador” é um disco que revela o ímpeto do Graveola por misturar cada vez mais elementos em sua massa sonora. Com uma (des)pretensiosa mistura entre o erudito, o lixo cultural, o lirismo político e a experimentação de amabilidades sonoras, é difícil etiquetar o disco em estilos e gavetas sonoras.

Muito “diversificado é o conjunto de ritmos, sons e incontáveis referências que borbulham enquanto se desenvolve o álbum. Sejam as pequenas transições pelo Jazz e a Bossa Nova em Canção para um Cão qualquer e Inverno, o samba em Desenha (lembrando muito os Novos Baianos do disco Acabou Chorare) ou mesmo todo o clima caliente de Desmatelado, tudo se representa de maneira vasta, como um grande passeio por diferentes épocas, estilos e preferências musicais.”

No álbum, nove das catorze canções celebram o movimento versus a inércia. As músicas: “Desmatelado”, “Canção para um cão qualquer”, “Babulinas’ trip” que trazem em suas letras frases como “você recebe tudo em casa sem sair do seu sofá! / Eu quero a onda que me leve até você”; e “mobilidade pelo mundo/ amabilidade”, refletem as experiências vividas pelo Brasil e exterior que marcam a história do grupo.

As aspas são de Cleber Facchi, criador do Miojo Indie.


Comprar


Digital

Escute o Albúm

  • Track List
  • Vozes Invisíveis
  • Envelhecer
  • Cafeína
  • A Mão e a Roseira
  • Canina Intuição
  • Escadaria
  • Até Breve
  • Cleide
  • Maquinário
  • A Lenda do Homem Pássaro
  • Da Janela
  • Chuva se Começo a Pensar
Graveola – Vozes Invisíveis ou Dois e Meio
14/08/2020

Este meio disco é um inventário de rascunhos, estudos e experimentos não exatamente finalizados, dispersamente produzido com a participação de vários amigos entre junho de 2012 e dezembro de 2013. Nele se podem ouvir impressões variadas dos afetos, projetos, viagens e desencontros da comunidade em movimento chamada Graveola.


Comprar


Digital

Escute o Albúm

  • Track List
  • Outro Modo
  • Supra Sonho
  • Samba de Outro Lugar
  • Antes do Azul
  • Amaciar Dureza
  • Ensolarado
  • Dois Lados da Canção
  • Do Alto
  • O Quarto 417 (As Aventuras de Dioni Lixus)
  • Benzinho
  • Insensatez: A Mulher Que Fez
  • Chico Buarque de Hollanda Vai à Copa de 2006
  • Cidade
Graveola – Graveola e o Lixo Polifônico
14/08/2020

Homônimo ao nome da banda à época, o disco traz experimentações sonoras muito características do grupo, desde o seu princípio. Copos, chaveiros e até uma lixeira em desuso traçam camadas e texturas às músicas, formando canções cheias de ramificações e muito experimentalismo. Um liquidificador suspenso com espaço para tudo. O gosto pela liberdade e a aversão às redeas e cabrestos. Graveola e o Lixo Polifônico é apenas mais um detalhe de toda essa construção, ou desconstrução, como preferir. O lixo é o centro das atenções, e dele são criados experimentalismos para mostrar seu imaginário “lírico-urbano-de-noticiário-de-rádio-AM-terceiromundista.