Google+

English

Otto faz show em São Paulo com repertório de Martinho da Vila

Comemorando os 40 anos do álbum “Canta Canta, Minha Gente” (1974), de Martinho da Vila, Otto preparou uma bonita homenagem. O cantor pernambucano fará três shows no SESC Vila Mariana, dias 14, 15 e 16 de fevereiro, interpretando o repertório desse clássico da música nacional e da carreira do sambista. A direção musical da apresentação é do Pupillo (Nação Zumbi).

No repertório estão as 12 faixas desse álbum, entre elas os sucessos “Canta Canta, Minha Gente”, “Disritmia” e “Malandrinha”. Para cada música, Otto preparou uma versão especialíssima, que será apresentada junto com a banda formada por Pupillo (bateria), Regis Damasceno (baixo e violão), Rodrigo Campos (cavaquinho), Thiago França (flauta), Marcos Axé (percussão) e Malê (percussão).

Otto – “Canta Canta, Minha Gente”

Data: 14/02 (sexta-feira)

15/02 (sábado)

16/02 (domingo)

Horário: 21h (sexta-feira e sábado)

18h (domingo)

Local: SESC Vila Mariana (Rua Pelotas, 141 – Vila Mariana – São Paulo – SP)

Ingressos: R$ 32 (inteira)

R$ 16 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino)

R$ 6,40 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes)

Otto lança novo clipe

Depois do lançamento de “The Moon 1111” (Deck /2012), o cantor pernambucano lança o primeiro clipe desse trabalho. O vídeo é da música “O Que Dirá o Mundo” e foi dirigido por Camila Botelho.

A música, que tem a letra assinada por Otto e José Paes de Lira (Lirinha), faz uma crítica às cidades, ao mesmo tempo que tem uma romântica e envolvente melodia. As imagens foram gravadas na Zona da Mata, de Minas Gerais, nas cidades Sobral Pinto e Abaíba, em áreas rurais, fazendo um contraponto à vida urbana. O vídeo teve seu roteiro criado livremente por Otto e pela diretora e conta com a participação da atriz Amanda Lira.

Otto

The Moon 1111

Otto parece ter uma criatividade infinita. A cada disco que lança, parece que abre uma caixa surpresa, com referências, influências, ideias e uma forte intuição. Seus 4 álbuns são mais do que músicas, são histórias, são novas propostas sonoras, sempre com detalhes e nuances que ficam nas entrelinhas.

“The Moom 1111” não é diferente, o 5º álbum de Otto é inspirado no cinema francês, especificamente em Guy Montag, personagem de “Farenheit 451” (1966), filme de François Truffaut. “É um disco futurista, espacial” – ele explica. Sonoramente com muita referência de Pink Floyd, especialmente o clássico “The Dark Side of the Moon”, e do nigeriano Fela Kuti, criador do afrobeat.

Mesmo com algumas influências estrangeiras, o disco transborda brasilidade. Muito por conta da jovialidade percussiva do nascedouro de Peixinhos, em Olinda, onde Otto e equipe montaram um estúdio e lá gravaram com percussionistas da região. Outras gravações também foram feitas no Estúdio Fábrica (Recife) e Estúdio YB (São Paulo).

Produzido por Pupillo (também baterista), “The Moom 1111” traz Otto acompanhado por um time espetacular de músicos; Fernando Catatau (guitarra), Donatinho (teclado), Dengue (baixo), Kassin (baixo) e Lincoln Olivetti (teclado e arranjos), entre outros. Também participam do disco Trummer, da banda Eddie, em “The Moon 1111”, Luê Soares, em “Selvagens Olhos, Nego” (feita há quase 10 anos em homenagem a Sabotage), de Jose Paes de Lira em “O que Dirá o Mundo”, do Balé Afro Magê Molê, em “Miss Apple e Zé Pilantra” e da atriz Tainá Muller, em “Ela Falava”.

Diferente dos trabalhos anteriores, dessa vez Otto improvisou muito em estúdio, fazendo o disco “artesanalmente, como se fosse montando um quebra-cabeça com tudo o que pensei” – ele diz. Otto fala sobre futurismo, sobre amores contemporâneos e como ser romântico na era da internet. Homenageia o trio Mutantes em “Dia Claro”, fala sobre a Apple em “Miss Apple e Zé Pilantra”, esbanja senso de humor em “Ela Falava”, “Exu Parade” e procura dismistificar o sexo, o tornando “mais divertido” em “DP”. Entre as 10 faixas de “The Moon 1111”, está a inspirada versão para “A Noite Mais Linda do Mundo”, de Donizette e Marcelo, cantada por  Odair José. Otto sempre bebeu no cancioneiro popular e recriou alguns de seus clássicos em arranjos contemporâneos. “A Noite Mais Linda do Mundo” caiu como uma luva no repertório do pernambucano nesse álbum especial.

O 1111 é uma referência ao número, que Otto vê sem parar e que abre muitos portais, segundo algumas correntes do misticismo. O título vem a calhar; a cada audição é possível ir abrindo os portais da cabeça de Otto e percebendo suas nuances, sua belezas escondidas, seus segredos e muito mais.

“The Moon 1111” tem o patrocínio do Programa Natura Musical, selecionado no Edital Nacional 2011. Será lançado dia 11/11 com distribuição da gravadora Deck.