Google+

English

Colomy lança “Pássaro Livre”

Ouça o single

Depois da estreia de “Sendo Como Sou” (Deck), em seu segundo single, “Pássaro Livre”, a banda Colomy demonstra maturidade estética ao elevar suas raízes setentistas a um patamar de profundidade emocional e investigativa.

Composta pelo trio e com letra de Pedro Lipa (guitarra, synth e voz), a canção é acompanhada por um slide de guitarra que dimensiona a sugestão de libertação, profundidade e alcance sugerida em seu título. O compasso da bateria de Eduardo Schuler, usando caixa e bumbo, conduz o violão de Sebastião Reis. Os backing vocals foram gravados por todos integrantes.

O Colomy, desta forma, demonstra a expansividade sensível de seu campo de composição, investigando sobre a alma humana, sobre os aprisionamentos da vida urbana e principalmente sobre a capacidade do ser em pulsar sobre uma nova esfera da vida, buscando, assim, a tão aferida e contumaz liberdade.

A ambientação progressiva constrói no âmago da canção uma sensação de leveza, partida e busca, em que, num campo metafórico, o céu como manifestação de outra vida torna-se o objeto a ser perseguido.

“Pássaro Livre” já está disponível nas principais plataformas de música pela gravadora Deck.

Pássaro Livre

Em seu segundo single, “Pássaro Livre”, a banda Colomy demonstra maturidade estética ao elevar suas raízes setentistas a um patamar de profundidade emocional e investigativa.

Composta pelo trio e com letra de Pedro Lipa durante o início da quarentena, a canção é acompanhada por um slide de guitarra que dimensiona a sugestão de libertação, profundidade e alcance sugerida em seu título.

O trio, desta forma, demonstra a expansividade sensível de seu campo de composição, investigando sobre a alma humana, sobre os aprisionamentos da vida urbana e principalmente sobre a capacidade do ser em pulsar sobre uma nova esfera da vida, buscando, assim, a tão aferida e contumaz liberdade.

A ambientação progressiva constrói no âmago da canção uma sensação de leveza, partida e busca, em que, num campo metafórico, o céu como manifestação de outra vida torna-se o objeto a ser perseguido.

O compasso da bateria de Eduardo Schuler, usando caixa e bumbo (half time shuffle), conduz bem os violões de Sebastião Reis, que também participa dos ótimos backing vocals da canção gravados por todos integrantes.