Elza Soares – Nos Braços do Samba

Elza Soares – Nos Braços do Samba

TRACK LIST
Escutar álbum
  • Primeiro Eu - Array
  • Nem Vem (Levo Minha Viola) - Array
  • Viagem de Jangada - Array
  • Quem é Bom Já Nasce Feito - Array
  • Debruçado em Meu Olhar - Array
  • Confesso Que Chorei - Array
  • Lendas e Festas das Yabás - Array
  • Nos Braços dos Samba - Array
  • Auêra - Array
  • Saudade Minha Inimiga - Array
  • Deixa Pra Deus Resolver - Array
  • Cansada de Esperar - Array
Em janeiro, Elza sofreu despejo do Restaurante La Boca e acumulou uma série de indenizações a serem pagas. O alcoolismo de Garrincha se agravava e, muitas vezes, Elza tinha que resgatá-lo completamente embriagado. Após a morte de D. Nair, as filhas de Garrincha foram acolhidas em sua casa que já não proporcionava mais o sossego de um lar. Reportagens da época apontavam aproximadamente 21 residentes, mais adjacentes que passavam semanas por lá. Em uma tentativa de fazer Garrincha parar de beber, Elza prometeu-lhe um filho homem. Segundo o jogador, este era seu maior desejo, já que tinha somente filhas mulheres. Assim, ela recorreu à sua fé para que a gravidez fosse abençoada, afinal já passara da idade recomendada para ter filhos. Em novembro daquele ano, enquanto finalizava o novo disco, descobriu-se grávida. Na foto para a capa já apresentava seu primeiro mês de gestação. Como prometido, Garrincha parou de beber. O disco anterior foi tão bem sucedido que a parceria com Ed Lincoln na direção musical se repetiu. Os acontecimentos na vida pessoal de Elza, entretanto, impediram sua total dedicação no processo de criação, com quase nenhuma interferência. O resultado foi um disco considerado morno pela crítica, que o apontava como um produto meramente comercial, de pouca inspiração. Até mesmo a voz de Elza foi criticada por se apresentar sem entusiasmo, reflexo do momento que vivia. O disco, entretanto, foi o primeiro da sua carreira a ganhar um encarte, cuidado que jamais recebera na Odeon e que é apontado em sua biografia como uma das tantas formas de racismo que sofria. O grandes êxitos daquele ano foram o samba enredo "O mundo encantado do Uirapuru", defendido na avenida pela Mocidade e Projeto Convocação Geral, uma espécie de esquenta para o carnaval de 76, do qual ela foi a estrela maior com o samba enredo "Mangueira, minha alegria

PRODUTOS RELACIONADOS